quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Optimus Alive!10 - Dia 10


Eddie Vedder a actuar no Optimus Alive!10
Foi um dos melhores dias da minha vida. Foi com muito agrado que no ínicio do ano soube da (óptima!) notícia de que os Pearl Jam vinham ao Optimus Alive!10 no último dia, 10 de Julho. Rapidamente quis bilhetes mas só os consegui em Maio (50 euros é muito dinheiro…). No dia 10, fui com um amigo, às 3, para a fila. As portas abriam às 4. Já estavam lá umas 1000/1500 pessoas, conseguimos entrar às 4 e 10. Fomos logo comprar umas águas, estava muito calor. 5 minutos depois, 4 raparigas e um rapaz da Sic Radical tiram-nos uma foto e dizem para dentro de 1 hora irmos à tenda deles para recebermos uma prenda. Nessa hora vimos um bocado dos Girls no Palco Super Bock, não gostei nada, e dos Enday no Palco Optimus Clubbing, dos quais gostei. Fui buscar a prenda, era uma T-shirt. Às 6 fui ver os Gomez no Palco Optimus, também gostei muito. Seguiram-se os Dropkick Murphys, achei demasiado pesado, mas não era muito mau. Os Gogol Bordello antecederam os tão esperados pelas 45 mil pessoas Pearl JamOs Gogol deram um grande concerto, muito bom mesmo, meteu toda a gente a saltar. Às 11, o momento mais esperado na noite: ouvem-se os primeiros acordes de Release, última música do primeiro álbum dos P.J., Ten. Uma música muito forte e sentimental, muito boa para começar, e para muitas pessoas não resistirem a uma lágrima no canto do olho. Seguiu-se Elderly Woman Behind a Counter in a Small Town. Depois de duas músicas mais calmas, veio AnimalO pessoal todo aos saltos, espectacular. Given To Fly e In Hiding abrem portas ao “português” de Eddie VedderUnthought Known meteu toda a gente a bater palmas ao mesmo tempo, antes de Nothingman. Daughter foi lindo, e uma Even Flow de 8 minutos (!) com um solo do Mike McCready dos melhores que já vi. Eddie dedica Just Breathe às família e aos surfistas portugueses, e ouço ao meu lado uma rapariga a dizer “Epá esta música é linda!”. Wishlist e uma fantástica Black abrem espaço para Glorified G e Why Go acabarem a 1ª parte do concerto antes do 1º encore. Eddie dedica The End aos portugueses e a seguir os P.J. tocam a inesperada Portugal, Portugal. Ouve-se Public Image e Eddie pergunta como se diz Fixer em português e ouve-se aquele espectacular riff inicial. Vedder aproveita a linda Wasted Reprise para dizer que o teclista Boom Gaspar é descendente de portugueses. Better Man recebe uma das maiores ovações da noite e é cantada em coro por toda a gente, menos Eddie, que prefere dizer Can’t find a better crowd. 1º encore acabado, nos minutos em que os Pearl Jam estiveram fora do palco, ouvia-se “I’m Still Alive”  do público. A banda volta e toca Smile, com Stone Gossard, guitarrista e Jeff Ament, baixista, a trocarem de instrumentos. Once é dedicada às outras bandas/artistas presentes no festival. Mas o momento da noite ainda estava para vir. Alive foi cantada por toda a gente, essa tão esperada música, foi sim o momento alto da noite. Foi simplesmente lindo. Na última música, Mike McCready senta-se no palco, e toca Yellow Ledbetter, uma música muito bonita. No final do concerto, os fãs só queriam mais uma musiquinha… Toda a gente saiu do festival com cara de quem tinha ganho o Euro Milhões… O concerto foi editado em CD, que eu tenho. Foi simplesmente fantabulástico. Afinal, valeu a pena estar 10 horas de pé para ver Eddie Vedder, Jeff Ament, Mike McCready, Matt Cameron, Stone Gossard e Boom Gaspar actuarem ao vivo. Cumpri um Sonho.

2 comentários:

  1. Nem o Blitz conseguiu uma reportagem tão directa como a tua.Parabéns! Tou a vêr que já te estás a fazer ao passe de jornalista para próxima edição,lol.

    ResponderEliminar